Chegou, estou tão emocionada!

23 set 2016

img_7254 img_7255 img_7256 img_7258 img_7259 b315ad16-17fc-412c-8ce2-39f84f1fb8f6

Livro novo competindo pelo prêmio kindle

18 set 2016

1trai

no www.amazon.com.br

http://www.metropoles.com/colunas-blogs/dedo-de-prosa/tres-livros-brasilienses-faturam-premio-internacional-em-los-angeles

12 set 2016

Três livros de autores brasilienses conquistaram, na semana passada, em Los Angeles, o Prêmio International Latino Book Awards (ILBA), de Melhor Livro publicado originalmente em Língua Portuguesa, nas categorias Infantil Ilustrado, Juvenil e Ficção. Os brasilienses venceram em três das quatro categorias existentes para livros publicados originalmente em português. Na categoria Não-Ficção, não houve vencedor.

“Por que eu?”, de Sinélia Peixoto, faturou o título de Melhor Livro de Ficção. Lançado em 2015, pela Chiado, o livro faz parte de uma trilogia que narra os dramas, conflitos e desafios de uma jovem mulher, Elizabeth, em Brasília. Ela vive um intenso momento de transição entre a liberdade dos vinte e os compromissos e cobranças dos trinta.

bienalsp15

A autora, professora da Secretaria de Educação, conta que o livro nasceu de um desafio imposto pelo seu terapeuta, para que escrevesse um diário. Ao invés disso, escreveu uma ficção premiada. Acho que depois do prêmio valeria um telefonema de agradecimento ao terapeuta.

Reprodução/FacebookREPRODUÇÃO/FACEBOOK

“A parede branca do meu quarto”, de Marina Oliveira, por sua vez, faturou o prêmio de Melhor Livro Juvenil. O livro foi publicado pela Thesaurus, também em 2015, e conta a história de Mariana, uma estudante adolescente que fica marcada por um episódio de surto durante uma prova na escola.

Em seu último ano antes do famigerado vestibular, ela tem de mudar de escola e enfrenta o preconceito e a crueldade das redes sociais. Também vive um momento de transição. Marina, a autora, é dez anos mais velha do que Mariana, sua personagem, e é jornalista e também cantora.

O título de Melhor Livro Infantil Ilustrado ficou com “Faço, Separo, Transformo”, de Marcelo Capucci e Marcos Linhares. O livro, publicado também em 2015, também pela Thesaurus, nasceu do projeto de Capucci com a reciclagem de material para a produção de instrumentos com seus alunos da rede pública, o Percussucata.

O próximo passo foi a parceria com o jornalista Marcos Linhares para a produção de um livro educativo sobre o tema. Nascia “Faço, Separo, Transformo”. Capucci, além de professor é o baterista da banda de rock Plebe Rude. Já Marcos Linhares, além de jornalista, é o Presidente do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal.

Reprodução/Internet

O Sindicato dos Escritores, aliás, está por trás do sucesso dos autores brasilienses no prêmio, já que divulgou a disputa entre seus filiados e estimulou as inscrições. Além dos agraciados com as primeiras colocações, todos filiados, o Sindicato teve dois autores classificados em segundo lugar: Beatriz Leal, com o livro “Mulheres que mordem”, na categoria de Melhor Ficção, e Pedro Ivo Peres de Santana, que ficou em segundo lugar na categoria Melhor Livro Infantil Ilustrado, com “A Arara no Cerrado”. O mesmo autor ainda teve uma menção honrosa, com outro livro da mesma coleção: “O Lobo-Guará no Cerrado”.

Outra conexão entre os autores vencedores, nesse caso as vencedoras nas categorias de ficção e infanto-juvenil, é que ambas fazem parte do coletivo Escritoras do DF.

O Prêmio International Latino Book Awards existe desde 1997 e essa foi sua 18º edição. Concede prêmios em quase 90 categorias, em oito grandes grupos. Foi criado, originalmente, para premiar os livros e autores de língua espanhola nos Estados Unidos, ou publicados em espanhol e traduzidos para o inglês, ou traduzidos de outra língua para o espanhol.

A ligação com a língua espanhola era a prioridade, tanto que um dos principais patrocinadores do prêmio durante alguns anos foi o Instituto Cervantes. O prêmio tem grandes autores de língua espanhola entre seus ganhadores. Em 2015, por exemplo, Isabel Allende levou o prêmio de melhor romance.

A partir de 2013, em sua 15º edição, passou a incluir um novo grupo, com oito categorias, para livros publicados em português, sendo quatro – Infantil Ilustrado, Infanto-juvenil, Ficção e Não-ficção – para livros publicados originalmente em português e os mesmos quatro para livros publicados em outra língua e traduzidos para o português. Trata-se de uma resposta ao aumento do mercado lusófono nos Estados Unidos. As categorias para livros publicados em língua portuguesa são, assim, relativamente recentes, e o número de inscrições ainda deve crescer bastante.O prêmio é aberto para livros publicados até dois anos antes das inscrições, de qualquer lugar do mundo, desde que dentro das categorias de língua existentes (escrito ou traduzido para espanhol e português). Neste ano, os organizadores receberam inscrições de dezessete países. Parabéns aos escritores do quadradinho. Yes, nós temos letras!

 

Bienal São Paulo 2016 – Resumo

10 set 2016

bienalsp1  bienalsp4  bienalsp2 bienalsp5bienalsp14 bienalsp13 bienalsp12 bienalsp11 bienalsp10 bienalsp9 bienalsp8 bienalsp7 bienalsp6 bienalsp15bienalsp2 bienalsp3 bienalsp4 bienalsp5 bienalsp6 bienalsp7 bienalsp12 bienalsp16

Bienal – dia 01/09 às 10:00, vamos?

25 ago 2016

sibienal2016

Outras Faces – A Renovação Humana

23 ago 2016

Silas

Dados do autor: Silas Andrade é natural de Recife – PE e mora em Brasília desde o início de 1990. Estudante e pesquisador de: Direito, Religião, Relações Humanas, Matemática, Física< Economia, Artes, Literatura, Filosofia, Política, Educação, Administração e Segurança do Trabalho, é músico e compositor também.

Resenha:Outras Faces – A Renovação Humana me pegou desprevenida, achei que era um livro religioso, mas na verdade acabou englobando todas as matérias citadas acima. É um livro completo, com textos sobre economia, violência, direito e justiça e etc.

Formado com textos pequenos, com sátiras do dia-a-dia, citações de leis e muitos casos reais também. É um livro pra se ler e reler sempre. Siga o autor em suas redes sociais ou pelo email: silasandrade2000@yahoo.com.br

Mia nas entrelinhas

22 ago 2016

mia

Dados do autor: Mia Malafaia nasceu no Rio de Janeiro, é jornalista, escritora e ativista sociocultural. Autora de Cara de Leão – sobre violência doméstica e abuso sexual. É acadêmica da Academia Niteroiense de Belas Artes, A Febacla, A literarte, a ESCBRÁS, o Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Buenos Aires e a Divine Academie Française des Arts Letres et Culture. Blog: www.miamalafaia.blogspot.com

Resenha: Mia não é só chique em seus títulos, é também chique em seu modo de escrever. O Mia nas entrelinhas tem vários textos pequenos e poemas que nos fazem refletir. É um livro pra se ter em mãos sempre, pra se ler diariamente e de meditação também, por trazer temas tão atuais e interessantes.

A capa é linda, bem diagramado e revisado. Adorei e recomendo. Siga a autora em suas redes sociais.

“Existem coisas que são eternas, outras nem tanto. Existem perdas irreparáveis, outras nem tanto…”

“É preciso coragem pra vencer!

É preciso aprender a dizer não!

Tem que ser forte, tem que ser do cão…”

A.M.A.R vale a pena (Recomeçar)

21 ago 2016

luana

Dados do autor: Luana Barros nasceu em Goiânia e mora em Brasília. Fez faculdade de Publicidade e Propaganda e é servidora pública. Ela mantém a página “Luana Barros – Romances e Poesias de Amor e de Vidas”no facebook e instagram: @porummundocommaispoesia. Escreveu o livro “Um anjo na terra”e de poesias #porummundocommaispoesia, 247 Poesias de Amor de Vidas”

Resenha: A.M.A.R vale a pena (Recomeçar) – Luana Barros conta a estória de Luiza e Gustavo, um casal lindo que se ama muito. Luiza não é a mãe biológica da Malu, mas a cria como se fosse, pois ela supostamente é filha de Gustavo. Luiza sofre muito quando toma a decisão de largar sua família e ir pra Londres, movida por uma rede de intrigas e muita mentira.

O livro é lindo. Nunca tinha encontrado alguém que se parecesse tanto com minha maneira de escrita. Luana escreve muito bem, com doçura, nos leva a entrar na estória, a sentir com os personagens, a ver os dois lados, porque ela sempre mostra a visão de um e do outro também.

A capa é super charmosa, o livro é bem diagramado e super recomendo. Siga a autora em suas redes sociais.

“O safado passa uma rasteira que nos faz perder o rumo de casa, da vida e de tudo!”

E adorei a parte do Blowjob:

“Give me a blowjob, please! – Tomo esse drink o resto da noite para só descobrir no dia seguinte que “Blowjob”é “boquete”em inglês….”

Quase 30 – Ane Soal

20 ago 2016

Tati

Dados do autor: Ane Soal estudou Teologia, é escritora, poeta e mora em Rio Verde – GO

Resenha: Quase 30 é um livro que usei como leitura diária e ainda uso, pois é feito de poemas curtos sobre o nosso dia-a-dia. Feito pra a mulher contemporânea, para quem quer batalhar, viver, sonhar, curtir, ser e além de tudo crescer como mulher.

Tentei escapar, mas não deu

Ri de mim mesma e chorei

Insistentemente pensava

Não achava que seria assim

Trinta não é nada mal

A vida é um tesouro sem fim”

O livro tem uma capa linda, diagramação excelente e a Ane escreve de uma maneira leve, tranquila, cativante, diferente, meio com sonetos (pra quem ama, como eu) e viciante. Recomendo a todos que gostam de poesia. Siga a autora em suas redes sociais: Facebook: Ane Soal.

“Sou alérgica

À poeira da corrupção

desonestidade

e falta de consideração

a fungos

políticos imundos

de alma cinzenta…”

Mosaicos – Glauber Vieira Ferreira

19 ago 2016

glauber

Dados do Autor: Glauber Vieira Ferreira nasceu em Varginha – MG em 1973 e vive em Brasília. Já participou de 20 antologias e em 2010 foi o vencedor na categoria de contos não – residentes, no concurso literário promovido pela prefeitura de Barueri – SP.

Resenha: O livro Mosaico é um livro fácil de ler, gostoso e divertido. Ele é pequeno e pode ser lido em uma sentada. Ri em algumas partes, concordei em outras e pensei: “poxa, como nunca pensei nisso!” em outras mais. Muito bem diagramado e com uma capa que chama sua atenção, é um livro no qual podemos até usar como um processo de leitura matinal, lendo uma página por dia, como meditação, racionalização sobre aquele tema (embora de meditação não tenha nada) rs.

“Sentia falta de cultura em sua vida, por isso, encaminhou-se para uma livraria….Já em casa, utilizou a sacola das compras para forrar o banheiro. Nada mais apropriado”

Adorei esse texto e como brasileiros sabemos que cultura é algo caro para a maioria da população e se acha ainda que cultura é seguir atores, cantores, e personagens que estão na mídia. Então ser culto é saber o que se passa na vida dessas pessoas e o texto do Glauber satirizou muito bem essa ideia.

“Gleice levou a caçula a livraria, onde um escritor de livros infantis autografava seu novo lançamento…

– Ele rabiscou meu livro!”

Como escritora, sou apaixonada por livros e cuido muito dos meus, tenho ciúme, empresto mas sempre querendo que devolvam e achei o máximo o personagem não entender o que um autógrafo significa. Para aquela criança, o escritor rabiscou o livro; para o escritor, ele usou seu autógrafo como agradecimento àquela criança. São dois lados da mesma moeda. Nossos egos ali em um papel, mostrando que na verdade, somos um NADA, um mero instrumento, parte de um todo; mas acreditamos em algo maior que nós e que possa conquistar tudo: nossos livros.

Adorei o livro, vou ler e reler muitas vezes. Obrigada, Glauber. Siga o autor em suas redes sociais: fanpage: glauber.vieria.ferreira; @glaubervieiradf